Conexão Tocantins Araguaína

Economia

14/09/2015 - Redação

Utilizado pelos comerciantes como um dos termômetros de vendas em todo o Brasil, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) apontou uma tendência de diminuição no número de inadimplentes em Araguaína no mês de agosto em relação a julho. Segundo o órgão, houve uma queda de 10,12% no número de inscritos no cadastro de devedores no comércio local – 20.133 em julho e 18.095 em agosto. Na prática significa que mais consumidores estão pagando em dia seus parcelamentos.

Contudo, houve uma leve queda no número de pessoas que estão quitando suas dívidas e saindo do cadastro. Em julho foram 13.182; já em agosto foram 12.835 (2,63% a menos).

Comparando os números com o mesmo período do ano passado, a situação passa a ser um pouco mais complicada. Em agosto de 2014, 15.558 araguainenses foram inscritos no SPC; em agosto deste ano, o número subiu para 18.095, aumento de 16,31%. E o número de quitações também diminuiu, desta vez na ordem de 2,80%. 

Fim de ano 

De acordo com o diretor de SPC da Associação Comercial e Industrial de Araguaína (Aciara), Alberto Luna, a expectativa é que, conforme o histórico dos anos anteriores, os meses de outubro, novembro e dezembro, apresentem um número maior de quitações de débitos em atraso, “e a consequente queda da inadimplência, alavancados, principalmente, pela chegada do décimo terceiro salário”.

Já o número de consultas ao SPC demonstra mais uma redução nas vendas, na ordem de 13,59% em relação a julho e 16,37% em relação a agosto de 2014, índices que seguem a tendência nacional de retração da economia.

O presidente da Aciara, Manoel de Assis Silva, chama a atenção para forma como Araguaína está lidando com a crise nacional. “Com esses resultados de retração do número de consultas, que caracterizam uma pré-venda, acende-se uma luz amarela de que a crise chegou de fato aqui nos mesmos patamares do restante do país, que até então vinham ocorrendo, mas sempre em níveis menores abrandados, em partes, pela nossa vocação regional do agronegócio”.