Conexão Tocantins Araguaína

Campo

24/03/2014 - Redação

Foto: Divulgação

Durante o Seminário Regional do Programa Travessia Leite, promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Tocantins (SENAR), no último sábado, 22, em Araguaína, a presidente do Sistema CNA/Faet/Senar, senadora Kátia Abreu, reafirmou que o Tocantins será um dos cinco maiores produtores do País. Ela participou, juntamente com mais de 700 produtores rurais cadastrados no programa Travessia Leite do Senar, de uma série de palestras sobre temas relativos à melhoria da produtividade e rentabilidade das atividades do segmento leiteiro no Tocantins.

Kátia Abreu destacou que, atualmente, o Tocantins faz parte dos cinco estados brasileiros com menor produção de leite, mas que essa realidade vai mudar através de ações continuadas de assistência técnica e extensão rural, que já estão sendo disponibilizadas aos produtores através do Programa Travessia Leite, que tem o objetivo de criar possibilidades, por meio de ações de formação profissional rural, para que os pequenos e médios produtores produzam leite de qualidade, atendendo aos padrões exigidos pela legislação, contribuindo para o desenvolvimento do setor e transformando pequenas propriedades em verdadeiras empresas rurais.

Na ocasião, Kátia Abreu convocou todos os presentes para, juntos, transformarem o Tocantins em um dos cinco maiores produtores de leite do país. “O Tocantins tem um potencial enorme para produção e abastecimento das demandas regional, nacional e também internacional. E é isso que vamos fazer. Muitas vezes não é necessário aumentar o número do rebanho leiteiro, mas aprendermos a aumentar a produtividade do mesmo rebanho”, explicou a senadora.

Segundo dados da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), o Brasil tem cinco milhões de produtores rurais, dos quais apenas 1,3 milhões produz leite e, deste total, somente 800 mil comercializam o produto.

Travessia Leite

O programa cadastra produtores rurais com especificidade nesse ramo de produção. Durante três anos eles são acompanhados mensalmente por técnicos do Senar, que avaliam as deficiências no manejo e os resultados das medidas aplicadas no decorrer do processo.