Conexão Tocantins Araguaína

Meio Ambiente

18/02/2014 - Redação

Foto: Divulgação

Os animais silvestres resgatados pelos órgãos ganham novo local para receber cuidados até que estejam aptos para serem devolvidos à natureza. Em dezembro do ano passado o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) firmou parceria com a Companhia Independente de Policia Militar Rodoviária Ambiental (Cipra) e estruturaram o primeiro Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Estado. Localizado no 2º Pelotão da Cipra no município de Araguaína, a unidade já recebeu nestes primeiros meses, mais de 100 animais, e no momento conta com 75 alojados, o que é a capacidade máxima do local.

Sob a supervisão do Naturatins e a parceria da Cipra, o primeiro Cetas do Tocantins conta com 11 recintos, internação e gaiolas para recepção e tratamento de animais silvestres resgatados ou apreendidos pelos órgãos fiscalizadores, vítimas de atropelamento, queimadas, transporte ilegal, e também aqueles mantidos em cativeiros domésticos como animais de estimação de forma irregular. Estes recintos estão aptos a receberem animais de qualquer porte e espécie dentro dos padrões do Ibama e desde que de forma provisória.

Quanto à estrutura, a unidade conta com atendimento médico-hospitalar, recintos adequados e equipe técnica treinada para manipular e cuidar dos animais durante o período necessário para sua recuperação, tratamento, reabilitação e possivelmente reintrodução ao meio ambiente.

Segundo o levantamento do departamento de fauna do Naturatins, grande parte dos animais que são encaminhados ao Cetas é proveniente de apreensão ou resgates realizados pelo Naturatins e demais parceiros ambientais, através de denúncias e entregas espontâneas por parte de pessoas que os criavam em cativeiro.

Ao chegaram ao centro, os animais recebem os cuidados de um biólogo e uma veterinária, esta cedida pela Agência de Defesa Agropecuária (Adapec). Além desses, a iniciativa recebe ainda trabalhos voluntários de profissionais, clinicas e de estudantes do curso de Veterinária e Biologia da Universidade Federal do Tocantins (UFT) de Araguaína.

Para a veterinária responsável pelo Núcleo de Fauna do Naturatins, Graziela Alves Pacheco, “a proteção da fauna nativa é necessária como forma de sensibilização, instrução da sociedade e também as ações intensivas de fiscalização ostensiva a fim de coibir a caça, o tráfico e a criação ilegal de animais silvestres”, relatou.

Investimentos

A unidade foi readequada e tem como custo mensal em alimentação e medicamento dos seus hóspedes a quantia de R$ 5 mil. Porém grande parte dos trabalhos é desenvolvida por voluntários, também por meio de doações de frutas e verduras de parceiros locais.

Diante da grande quantidade de animais que chegam ao Cetas à proposta é construir mais recintos para receber e dar mais comodidade. Outra expectativa é a construção de um Cetas em Palmas, que está prevista para iniciar as obras ainda este ano, assim que o Instituto de Terras do Tocantins (Itertins) fizer o memorial descritivo da área no Centro Agroteconológico de Palmas. “A intenção é conseguir manter as duas unidades, uma vez que estão distantes e assim descentralizar a recepção e até mesmo a soltura destes animais”, frisou Pacheco.

Parcerias

Antes da parceria com a Polícia Militar, estes animais eram destinados ao Projeto Aratama, localizado no município de Presidente Kennedy – TO, por meio do convênio firmado com o Instituto Ecos do Cerrado, ou ao Centro de Recuperação de Animais Silvestres (Cras) da Cipra de Araguaína, Nestes locais os animais recebiam os devidos cuidados até serem devolvidos à natureza, ou destinados a outros locais.  Com o fim do convênio com o IECOS, no final do ano passado, o órgão buscou apoio da Cipra, para juntos readequarem o local e instalar o primeiro Cetas para a recepção desses animais. (Ascom Naturatins)