Conexão Tocantins Araguaína

Saúde

16/01/2012 - Redação

Foto: Divulgação

O pequeno Vinícius nasceu na sexta-feira, 13, na Maternidade Dom Orione em de Araguaína, com má formação congênita. Ele chegou ao Hospital e Maternidade Pública Dona Regina, em Palmas, por volta das 18h, onde foi recebido por especialistas. O bebê é filho de Francilene Matias dos Santos, natural de Araguaína. A gravidez foi completa, mas a mãe descobriu que seu bebê tinha má formação (gastrosquise) e que precisaria de cuidados especiais ainda no quarto mês de gestação, onde fazia o pré natal. Francilene se disse aliviada ao chegar a Palmas por saber que agora seu filho terá os cuidados necessários para sua recuperação.

A Secretaria de Estado da Saúde, logo que tomou conhecimento do caso, providenciou imediatamente UTI aérea (táxi aéreo) e equipe médica na Maternidade Dona Regina para garantir o pronto atendimento ao recém nascido. Ao chegar, foi recebido por uma equipe e encaminhado à UTI Neonatal, onde foi avaliado. “Os especialistas decidiram operá-lo na manhã de domingo, 15”, afirmou a diretora geral do Dona Regina, Alba Lúcia de Menezes Sá Muniz.

A mãe e o bebê foram encaminhados na tarde à Capital, único local do Estado onde existem cirurgiões pediatras capacitados para a realização do procedimento cirúrgico.

Gastrosquise

Gastrosquise é uma mal formação fetal decorrente de um defeito na formação da parede abdominal e foi detectada quando a criança ainda estava na barriga da mãe. Esse "defeito" de formação é caracterizado pela presença de uma abertura na região abdominal, por onde são expostas as vísceras abdominais, como estômago e intestinos, por exemplo. A gastrosquise é perigosa e causa mortalidade em 15% dos casos. A má formação do embrião acontece na quarta semana de gestação. Geralmente, a fenda aparece do lado direito e é mais comum em indivíduos do sexo masculino.

Tratamento

O intestino é recolocado na cavidade abdominal por meio de um procedimento cirúrgico, fechando-se o defeito se houver espaço suficiente. Se a cavidade for muito pequena, uma tela é suturada ao redor das margens do defeito abdominal, com a finalidade de aproximar as bordas. O efeito da gravidade empurra o intestino herniado de volta para dentro da cavidade, esticando-a lentamente até que o defeito possa ser fechado. (Com informações de www.news-medical.net)