Conexão Tocantins Araguaína

Economia

01/12/2011 - Redação

Foto: Divulgação

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Tocantins – Fecomércio, por meio do Instituto Fecomércio de Pesquisa do Tocantins, realizou durante o mês de novembro, nas cidades de Palmas, Gurupi e Araguaina, uma sondagem de opinião com os consumidores a respeito da intenção de consumo para o Natal. Foram entrevistadas no total, cerca de 1200 pessoas que responderam a um questionário sobre assuntos como Emprego Atual, Perspectiva Profissional, Renda, Acesso a Crédito, Nível de Consumo e Perspectiva de Consumo.

A mostra traz dados que dão um panorama sobre o mercado que se prepara para as vendas de fim de ano. Em Araguaína, dos 375 entrevistados, 52,3% se sentem mais seguros no emprego e 58,9% dessas famílias avaliam que, em comparação com o mesmo período de 2010, a renda está melhor. Aproximadamente 24% dos araguainenses pretendem gastar de R$ 300,00 a R$ 500, e 27,5% acima de R$ 500, sendo que 72,3% irão comprar em dinheiro.

Em Gurupi a pesquisa ouviu 385 pessoas e segundo o levantamento 40,3% afirmam que a renda está melhor que em 2010 e 47,5% dizem que estão comprando mais que no ano passado. No que diz respeito ao gasto com as festas de fim de ano, 36,4% acreditam que ficará acima de R$ 300.

Em Palmas, as famílias estão consumindo cerca de 6,5% a mais, que no mês anterior. A sondagem verificou que, para 65,7% há uma maior segurança no emprego e 69,4% das famílias avaliam que a renda está melhor que no ano anterior. Para 42,5% dos entrevistados está mais fácil obter crédito e 39,1% dizem que a perspectiva de consumo está maior com relação ao ano passado.

Do total de entrevistados, 96,8% ganham até 10 salários mínimos e com relação à perspectiva de consumo das famílias e da população em geral, 49,2% acham que tende a ser maior para os próximos meses. Na apuração, 35,9% estima gastar de R a R0, 36,5% deve gastar de R1 a R0 e 21,8% afirmou que o valor das compras para o Natal ficará acima de R0, o que é uma boa notícia para o comércio. No que tange a forma de pagamento, de acordo com 63,9% dos consumidores será à vista e em dinheiro. Já para 22,9% a forma de pagamento será via cartão de crédito e apenas 7,5% fará uso do cheque pré-datado. A sondagem também verificou como o consumidor se utilizará do 13º salário. Cerca de 41% irão pagar dívidas, 13% irão poupar e 21,8% farão as compras de Natal.

Segundo estudo feito pela CNC e Fecomércio, os empresários ainda estão cautelosos com a data, apesar de se verificar uma alta na intenção de gastos dos consumidores. Mas, a expectativa do empresário em relação a uma melhora da economia está em alta, ou seja, 72,9% esperam que o mercado fique mais aquecido com a chegada do período natalino.

“O resultado dessa pesquisa mostra um nível favorável de consumo no mês que antecede o Natal, que é uma das melhores datas para as vendas no comércio. Ainda que seja num ritmo menos intenso, as famílias se mostraram mais confiantes tanto em relação ao emprego quanto a renda, impactando positivamente no resultado”, comenta a superintendente da Fecomércio, Silmara Lustosa Ribeiro.

Para o presidente da Fecomércio Tocantins, Hugo de Carvalho, esses resultados podem incentivar o empresário a investir mais e definir estratégias de vendas que melhor atraiam a atenção do consumidor.

Instituto

O Instituto Fecomércio de Pesquisa e Desenvolvimento do Tocantins é uma entidade de Direito Privado, sem fins lucrativos, vinculada à Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Tocantins. Criado em 28 de novembro de 1997, visa disponibilizar um banco de dados contendo informações sobre o comércio no Tocantins, que servirão de base para elaboração de planos e projetos, além de realizar pesquisa direta junto às empresas do comércio e aos consumidores para avaliar periodicamente o desempenho do setor. A sua diretoria atual é composta pelo presidente Hugo de Carvalho, vice-presidente Anselmo da Silva Moraes, diretor tesoureiro Cesar Hanna Halum, Diretora Secretária Maria Lucia Dorta e Diretor de Mercado Domingos Tavares. (Ascom Fecomércio)