Conexão Tocantins Araguaína

Geral

02/02/2010 - Redação

Foto: Divulgação Deputado Lázaro, Soldado Geovane e Vereador Alcivan durante manifestação Deputado Lázaro, Soldado Geovane e Vereador Alcivan durante manifestação

O deputado federal Lázaro Botelho (PP/TO), participou na manhã desta terça-feira, 2, de manifestação promovida por cerca de 5 mil bombeiros e policiais de todo o País, pela aprovação do Projeto de Emenda Constitucional 300/08, que institui piso salarial nacional de policiais militares e bombeiros.

A Marcha teve início na Catedral Metropolitana de Brasília e seguiu até o Congresso Nacional. O deputado Lázaro acompanhou os militares ao lado do soldado Geovane Alves dos Santos, presidente da Associação Estadual de Cabos e Soldados do Tocantins – ACS-TO e do Vereador Soldado Alcivan, do PP de Araguaina, que lideraram uma comitiva com cerca de 100 policiais e bombeiros tocantinenses.

A PEC 300/08 propõem um piso salarial único para os profissionais de segurança pública, tendo por base o salário dos profissionais de Brasília, que é o maior do País. Se aprovada, o menor salário dos profissionais de segurança ficará em torno de R$ 4 mil.

Ao defender a aprovação da PEC, Lázaro lembrou que, atualmente, a remuneração dos policiais militares de Brasília é bancada por um fundo do governo federal e que este fundo não pode privilegiar apenas uma das Unidades da Federação. O parlamentar ainda argumentou que a população brasileira não aguenta mais sofrer com tanta insegurança. “Corrigir as enormes distorções entre os salários de policiais e bombeiros no Brasil é o primeiro, e talvez mais importante, passo para a construção de uma política eficiente de segurança pública”, declarou o deputado.

O vereador Soldado Alcivan declarou que alguns de seus colegas recebem menos de R$ 1 mil. “Hoje em dia é comum policiais e bombeiros morarem em favelas ou outros locais de risco, não podendo oferecer as mínimas condições de conforto e segurança à sua própria família”. Alcivan ainda ressaltou que a maioria dos seus colegas são obrigados a recorrer aos famosos “bicos”, submetendo-se à jornadas de trabalho desumanas, afetando a qualidade do serviço oferecido à população.

Nesta tarde os policiais visitam outros parlamentares, em busca de apoio para a inclusão da PEC na pauta da Câmara dos Deputados.

Fonte: Assessoria de Imprensa Lázaro Botelho