Conexão Tocantins Araguaína

Economia

26/05/2009 - Redação

Para comemorar o crescimento da produção do frigorífico do Grupo Minerva, em Araguaina, o complexo industrial será reinaugurado no dia 10 de junho com a presença do governador Marcelo Miranda. O convite para a participação no evento foi feito pelo diretor-executivo do grupo, Jercy Teixeira, na tarde desta terça-feira, 26, em audiência no Palácio Araguaia, em Palmas. Em dois anos o frigorífico quadriplicou a sua produção, passando de 200 para 800 cabeças de gado abatidas por dia.

“Nós entregaremos ao governador uma das plantas industriais mais modernas do país na área de processamento de cortes in natura para exportação”, ressaltou Jercy Teixeira. Segundo ele, outro avanço foi na questão do emprego. No início das operações do Grupo Minerva, em Araguaina, em 2007, trabalhavam cerca de 180 pessoas, hoje, o número é de 1.003 funcionários com carteira assinada.

Para o secretário-chefe do Gabinete do Governador, Luiz Antônio da Rocha, que também participou da audiência, esses números refletem os esforços do governo estadual em industrializar o Tocantins. “Essa é uma excelente notícia para o Estado, já que estamos em franco desenvolvimento. É mais um parceiro que já está instalado no Tocantins e continua ampliando sua estrutura para exportação. Nós estamos com os índices acima da média nacional”, considerou.

O investimento no Estado para a implantação do frigorífico foi de R$ 48 milhões. Atualmente, o Grupo Minerva exporta carne para mais de 80 países do mundo e a expectaiva é de mais crescimento. “Nós estamos trabalhando junto com o governo estadual para que o Tocantins seja credenciado para o mercado da União Européia, que agrega 29 dos países mais ricos do mundo”, explicou o diretor-executivo do grupo. Com a entrada no mercado europeu, a produção em Araguaína irá aumentar e, com isso, mais empregos serão gerados.

Grupo Minerva

Implantado no Brasil desde 1992, o Grupo Minerva já possui três complexos industriais e três centros de distribuição que, juntos, desossam até 18 mil quartos bovinos por dia e geram 5.000 empregos diretos. No frigorífico, 80% dos animais abatidos são da raça nelore, por ter carne com menos gordura intramuscular, como preferem os consumidores. A empresa tem grande atuação no mercado internacional e atende a países como Rússia, Egito, Iraque e Irã.

Fonte: Secom