Conexão Tocantins Araguaína

Geral

20/08/2007 - Redação

trata da construção de um ramal da ferrovia Norte-Sul, ligando o município de Lucas do Rio Verde (MT) à Miracema (TO).

Distante 354 km ao norte da capital Cuiabá, Lucas do Rio Verde é um jovem município com aproximadamente 25 mil habitantes e 17 anos de emancipação político-administrativa. Está situado na nova fronteira agrícola e possui altos índices de produtividade de soja por hectare, só perdendo a nível de Brasil para o município vizinho Sorriso.

O projeto que visa à ligação ferroviária dos municípios conta com o apoio no Senado da bancada do Mato-grosso e está sendo articulado politicamente, também, por 10 municípios do centro norte mato-grossense, vereadores e entidades civis organizadas.

A proposta que prevê a redução de até 30% dos custos de transporte visa facilitar o escoamento da produção da região pelo porto de Itaqui em São Luís – Maranhão. Hoje o escoamento se dá pelo porto de Paranaguá, no Paraná e os caminhões carregados de produtos agrícolas tem de percorrer 2.500 km de estradas muitas vezes em péssimo estado.

Caso o projeto torne realidade, serão 800 km de trilhos que cortarão o Mato Grosso e o meio oeste tocantinense (região de terras bastante férteis), disseminando desenvolvimento, riqueza e geração de empregos. O traçado representa um novo corredor de exportação a ser agregado à proposta de integração leste-oeste do Brasil e o Tocantins poderá ser extremamente favorecido se tornando um entroncamento leste-oeste e norte-sul. Entretanto, apesar de já ter sido noticiado na imprensa local, no Tocantins não se vê nenhuma movimentação política de apoio ao projeto.

O projeto

O projeto foi apresentado em setembro de 2005. Desde então, Rabelo vem buscando apoio político. A Agência Nacional de Transportes Terrestres aprovou por meio da Deliberação 345/06, de 26 de setembro de 2006, a instauração do processo de licitação do projeto para a construção do ramal.

No dia 10 de maio deste ano o Projeto Brasil Central foi discutido em audiência pública na Comissão de Serviços de Infra-estrutura (CI) do Senado, com o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), José Alexandre Nogueira Rezende; o autor do projeto e diretor da ANTT, Gregório Rabelo; além de consultores da Universidade Federal de Santa Catarina, que trabalharam na elaboração do projeto.

Os senadores matogrossenses chegaram a sugerir que a bancada (incluindo os deputados federais) fossem até o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para apresentar o projeto e pedir sua inclusão no PAC. Gregório Rabelo disse que, se o Projeto Brasil Central não for efetivado, "vai ser pior para o desenvolvimento da região e do país".

O estudo será encaminhado à Presidência da República até o final de setembro com pedido de inclusão no Programa de Aceleração do Crescimento – PAC. A idéia é interligar com a logística de transporte Mato Grosso, Tocantins, Maranhão e Piauí, tendo o porto do Maranhão como o escoador natural da produção do corredor Centro-Norte. Por enquanto a ferrovia Norte-Sul está concluída até Araguaina (TO) e espera-se que possa chegar a Palmas (TO) até o final de 2008.

Da redação com informação Agência Brasil